Meteorologista do INMET apresenta tese de doutorado pela Universidade Federal de Campina Grande

O estudo teve como objetivo avaliar o regime de chuvas e vazões na bacia do Xingu, medindo seu impacto na geração de energia elétrica na usina de Belo Monte.

Por Ana Carolina Castro dos Santos - publicado 24/02/2022 08h58 . Última modificação 25/02/2022 08h19 .

Na manhã dessa quarta-feira (23), o doutor em meteorologia Edmundo Wallace Monteiro Lucas, meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), defendeu, pela Universidade Federal de Campina Grande, a tese de doutorado "Regionalização dos impactos das mudanças climáticas nos regimes de chuva e vazão na Bacia Hidrográfica do Xingu”, que busca avaliar os impactos das mudanças climáticas no regime de chuvas e vazões da bacia hidrográfica do Xingu, local que abriga a usina hidrelétrica de Belo Monte.

De acordo com o especialista, o intuito da pesquisa é verificar como ficarão os índices pluviométricos e vazões na região e avaliar o impacto disso na geração de energia elétrica na usina.

“Nós aplicamos 4 modelos climáticos globais e 2 cenários, em função do forçamento radiativo na atmosfera devido à elevação dos gases do efeito estufa. Na avaliação usamos 2 períodos futuros, o de 2021-2050, e o de 2051-2080, que são dois períodos de 30 anos, referentes a uma normal climatológica, conforme a recomendação da própria OMM”, explica Wallace.

A análise dos cenários apontou que, para o primeiro período, com RCP 4.5 (cenário de mudanças climáticas sugerido pelo IPCC), haverá um acréscimo de chuva e vazão e, consequentemente, de energia em Belo Monte, com redução em torno de 10%. Já para o segundo período, o cenário aponta uma redução de até 20% de vazão, chuva e energia.


Foto: Resultados para o cenário RCP 4.5. Fonte: Elaborado pelo autor (2021)

Na região do alto Xingu, há também uma tendência negativa de precipitações no período chuvoso, em especial, no trimestre de dezembro, janeiro e fevereiro. No baixo Xingu (norte da bacia), por sua vez, foi observada tendência de aumento no acumulado anual, principalmente no trimestre de março, abril e maio. O artigo completo do autor sobre tendências de índices de extremos climáticos de precipitação e temperatura foi publicado pela revista Wather and Climate Extremes e pode ser lido aqui.

Alerta

Os resultados obtidos com os cenários e modelos apresentados indicam, ainda, que no período seco a situação deve ficar mais crítica do que a atual na região. Isso porque Belo Monte é especialmente diferente: é uma usina fio d’água, que não possui um reservatório para armazenar água e compensar as poucas chuvas do período seco na geração de energia.

“Uma usina fio d'água depende unicamente da variabilidade natural do rio, tornando o sistema mais vulnerável a eventos climáticos extremos. Os cenários futuros demonstram que deve reduzir a chuva e vazão na bacia, uma situação que merece atenção em relação a produção de energia na região”, explica Wallace. “Estes resultados devem servir para os tomadores de decisão e operadores do sistema adotarem políticas energéticas e medidas de mitigação aos possíveis impactos destes cenários, como investir em outras fontes de energia renováveis para compensar a perda de Belo Monte.”

O INMET representa o Brasil junto à Organização Meteorológica Mundial (OMM) desde 1950. Para maiores informações, acompanhe o portal oficial. A previsão de tempo e os avisos meteorológicos são divulgados diariamente em nosso aplicativo e redes sociais:

Instagram: @inmet.oficial

Twitter: @inmet_

Facebook: @INMETBR

Tiktok: @inmetoficial

Youtube: INMET

LinkedIn:/company/inmetbr

Veja mais: