EVENTOS EXTREMOS DE JUNHO DE 2022 NO BRASIL

O destaque é para as chuvas intensas que se concentraram no noroeste do país, na costa leste do Nordeste e em áreas da Região Sul.

Por Viviane Samara Barbosa Nonato - publicado 05/07/2022 15h18 . Última modificação 05/07/2022 16h28 .
  1. PRECIPITAÇÃO

Em junho de 2022, os maiores acumulados de chuva concentraram-se no noroeste do país, na costa leste do Nordeste e em áreas da Região Sul (Figura 1). A atuação de diferentes sistemas meteorológicos contribuíram para os eventos extremos nas regiões do Brasil.

                   Figura 1: Mapa do acumulado de precipitação (mm) em junho (áreas mais chuvosas, em azul escuro, e menos chuvosas, em verde claro/amarelo).

Na Região Norte, áreas de instabilidade associadas a termodinâmica da região, contribuíram para ocorrência de chuvas. Os maiores totais de chuva foram registrados em Fonte Boa (AM) com 99,3 mm no dia 04/06, Manacapuru (AM) com 85,0 mm no dia 11/06 e São Gabriel da Cachoeira (AM) com valor de 83,0 mm no dia 21/06.

Na costa leste do Nordeste, as chuvas intensas foram causadas por áreas de instabilidade associadas à pulsos provenientes do Oceano Atlântico. Os maiores totais de chuva em um único dia foram de 111,2 mm em Coruripe (AL) no dia 09/06, 122,6 mm em Porto de Pedras (AL) no dia 16/06 e 84,0 mm em Palmeira dos Índios (AL) no dia 06/06. Além disso, entre os dias 22 e 23/06, a formação de um Distúrbio Ondulatório de Leste (DOL) provocou chuvas volumosas em áreas dos estados de Pernambuco, Paraíba e Alagoas com totais que variam entre 100 e 125 mm.

Na Região Sul, a combinação de um cavado em níveis médios e altos com a formação de uma frente fria na região, provocaram chuvas intensas no dia 17/6. Nesse dia, o total de chuva em Soledade (RS) foi de 83,4 mm e, em São Luiz Gonzaga (RS), de 88,1 mm.

A Figura 2a apresenta a imagem de satélite do dia 17/06/2022 às 5h (horário de Brasília), destacando em especial, as chuvas no extremo sul do país e, a Figura 2b, no dia 22/06/2022 às 16h10min, realçando as chuvas na costa leste do Nordeste. Ressalta-se que, as áreas em vermelho indicam regiões mais favoráveis para ocorrência de chuvas intensas.

              Figura 2: Imagem de satélite dos dias: a. 17/06/2022 às 8 UTC (5h no horário de Brasília) e b. 22/06/2022 às 19:10 UTC (16h10min no horário de Brasília).

A Tabela 1 apresenta os destaques de totais de chuva, médias e desvios de chuva no mês de junho de 2022 para os Estados de Pernambuco, Alagoas, Pará e Rio Grande do Sul. Verifica-se que, o maior desvio positivo de chuva, (ou seja, chuva acima da média histórica) dentre as estações meteorológicas do INMET, foi registrado no Estado de Alagoas. Destaque para o valor de 281,4 mm de precipitação acima da média histórica observado na estação meteorológica de Palmeira dos Índios (AL) (Tabela 1).

É importante ressaltar que algumas destas localidades (Tabela 1), foram destaques no mês: em Palmeira dos Índios (AL) e Itaituba (PA), por exemplo, junho de 2022 passa a ser o mês de junho mais chuvoso desde 1961. Já em Garanhuns (PE) e Porto de Pedras (AL), o mês de junho de 2022, passa a ser o terceiro junho mais chuvoso desde 1961. 


Além dos grandes volumes de chuva ocorridos no Brasil, as baixas temperaturas também foram destaque nesse mês de junho, principalmente em áreas da Região Sul do país.


Confira a NOTA completa AQUI.

O INMET é um órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e representa o Brasil junto à Organização Meteorológica Mundial (OMM) desde 1950.

A previsão de tempo e os avisos meteorológicos são divulgados diariamente em nosso portal, aplicativo e redes sociais:

Instagram: @inmet.oficial

Twitter: @inmet_

Facebook: @INMETBR

Tiktok: @inmetoficial

Youtube: INMET



Veja mais: