Eventos extremos: Chuvas intensas, geada e frio atingem diferentes regiões do Brasil em setembro de 2022

O mês foi marcado por alagamentos, deslizamentos e impactos no agronegócio devido às chuvas

Por Viviane Samara Barbosa Nonato - publicado 06/10/2022 09h00 . Última modificação 06/10/2022 13h56 .

Em setembro deste ano, os maiores acumulados de chuva foram no noroeste e em áreas do centrossul do País (Figura 1). Neste período, a atuação de diferentes sistemas meteorológicos contribuíram para os eventos extremos no Brasil.

Figura 1: Mapa do acumulado de chuva (mm) em setembro deste ano (áreas mais chuvosas em azul escuro e menos chuvosas em verde claro/amarelo).


No Norte do País, áreas de instabilidade associadas à termodinâmica da região contribuíram para a ocorrência de chuvas em Rio Branco (AC), com registro de 53 milímetros (mm) no dia 15. Além disso, uma frente fria avançou até o sul da região na segunda quinzena do mês e contribuiu para a ocorrência de chuva (60,5 mm) em Porto Nacional (TO) no dia 23. 

Chuvas mais expressivas ocorreram na Região Centro-Oeste após meses de seca, temperaturas elevadas e baixa umidade relativa do ar. Uma massa de ar quente e úmida provocou chuvas significativas na última semana do mês, com destaque para as cidades de Aquidauana (MS), com 93,8 mm, e Sidrolândia (MS), com 73,8 mm, ambas no dia 28, e Cuiabá (MT), com 67 mm, no dia 29.

Já na Região Sudeste, o início do mês foi marcado por acumulados de chuva provocados por áreas de instabilidades que atingiram a costa, com valores que ultrapassaram 70 mm. Destaque para a Itapeva (SP), com acumulado de 86,8 mm no dia 7, e Teresópolis (RJ), com 76 mm no dia 16. E, assim como na Região Centro-Oeste, a massa de ar quente e úmida provocou chuvas intensas em Cachoeira Paulista (SP), com 88,2 mm no dia 28, e Alto da Boa Vista (RJ), com 110,2 mm, Angra dos Reis(RJ), com 100,8 mm, e Teresópolis (RJ), com 89 mm, tudo no dia 29.

Por fim, na Região Sul, áreas de instabilidade provocaram acumulados de chuva no dia 13 em Colombo (PR), com 62,4 mm, e Morretes (PR), com 58,6 mm, e Foz do Iguaçu (PR), com 95,4 mm, no dia 29. Além disso, a combinação da frente fria com um ciclone extratropical no dia 22 provocou chuvas e ventos fortes na região com valores que superam 50 mm. Destaque para Candido Rondon (PR), com acumulado de chuva de 54,8 mm.

A figura 2.a mostra a imagem de satélite no dia 22 às 16h20 e realça as chuvas na parte central do País. Já a figura 2.b é do dia 28 às 3h (horário de Brasília) e destaca as chuvas em áreas do Mato Grosso do Sul e São Paulo. Vale ressaltar que as áreas em vermelho indicam regiões mais favoráveis a ocorrência de chuvas intensas.

Figura 2.a: Imagem de satélite do dia 22/09/2022 às 16h20 (horário de Brasília).

Figura 2.b: Imagem de satélite do dia 28/09/2022 às 3h (horário de Brasília).


Confira a nota completa AQUI.

O INMET é um órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e representa o Brasil junto à Organização Meteorológica Mundial (OMM) desde 1950.

A previsão de tempo e os avisos meteorológicos são divulgados diariamente em nosso portal, aplicativo e redes sociais:

Instagram: @inmet.oficial

Twitter: @inmet_

Facebook: @INMETBR

Tiktok: @inmetoficial

Youtube: INMET

Veja mais: