Portal do Governo Brasileiro

RECORDE HISTÓRICO DE TEMPERATURA NOS ESTADOS DO MATO GROSSO DO SUL E SÃO PAULO

Mato Grosso do Sul iguala novo recorde histórico de 44,6°C; estado de São Paulo alcança 43,5°C de máxima e tem maior marca de sua história desde a década de 1930

Por Viviane Samara Barbosa Nonato - publicado 08/10/2020 15h30 . Última modificação 08/10/2020 15h39 .

RECORDE HISTÓRICO DE TEMPERATURA NOS ESTADOS DO MATO GROSSO DO SUL E SÃO PAULO


Mato Grosso do Sul iguala novo recorde histórico de 44,6°C; estado de São Paulo alcança 43,5°C de máxima e tem maior marca de sua história desde a década de 1930


Nos estados de Mato Grosso do Sul e de São Paulo a quarta-feira dia 07/10 foi considerado um dia histórico desta grande onda de calor que assola parte do território Brasileiro. Pelo 2° dia consecutivo a temperatura chegou a 44,6°C no Mato Grosso do Sul, desta vez na cidade de Paranaíba, empatando com o recorde absoluto dos registros para o Mato Grosso do Sul recentemente verificado em Água Clara (dia 05/10/2020).

No estado de São Paulo, o INMET tem novo recorde histórico em sua base de dados de automáticas e convencionais, 43,5°C em Lins, temperatura máxima registrada perto das 15h, registro que supera o recorde anterior de Iguape em 03/02/1933.

Outros recordes de estações foram batidos e desta forma reordenam a nova história climática das temperaturas máximas históricas no estado de São Paulo:


Destaque para Barretos com 42,9°C que assume o 3° posto no ranking histórico (bate seu recorde anterior de 41,8°C em 24/10/2015, estação aberta em 2010); Ibitinga na 5ª posição, com 42,6°C, bate o seu recorde de 41,7°C no último dia 30/09; Jales, no 9° posto, recorde de 42,0°C que bate o anterior de 41,9°C do dia 05/10 recente. Em Iperó, região de Sorocaba, o recorde desta quarta-feira de 39,1°C é o maior desde a abertura da estação em 2006 (anterior era 37,1°C em 17/10/2014).

Atualização do ranking das maiores temperaturas do estado de São Paulo: Registros absolutos de todo estado de São Paulo, com base nas Estações Meteorológicas e Automáticas do INMET, agora indicam máximas históricas de

  • 43,5°C de Lins em 07/10/2020
  • 43,0°C de Iguape em 03/02/1933
  • 42,9°C de Barretos em 07/10/2020
  • 42,8°C de Registro em 02/10/2020
  • 42,6°C de Ibitinga em 07/10/2020
  • 42,4°C de Dracena em 06/10/2020
  • 42,2°C de Catanduva em 05/10/2020
  • 42,1°C de Iguape em 16/01/1956, Catanduva e Votuporanga em 03/10/2020
  • 42,0°C de Jales em 07/10/2020
  • 41,9°C de Lins em 30/09/2020 e 06/10/2020 e Dracena em 03/10/2020


Em Campo Grande - MS a máxima voltou a superar a barreira dos 40°C e marcou 40,3°C, novamente com presença de pancadas de chuva, desta vez mais fortes, inclusive com trovoadas e ventos fortes de 63km/h no meio para o fim de tarde.


Atualização do ranking das maiores temperaturas do estado de Mato Grosso do Sul: Registros absolutos de todo estado de Mato Grosso do Sul, com base nas Estações Meteorológicas e Automáticas do INMET, até o dia 07/10/2020:

  • 44,6°C em Água Clara em 05/10/2020 e Paranaíba em 07/10/2020
  • 44,4°c em Água Clara, 01/10/2020
  • 44,1°C em Coxim, 30/09/2020
  • 44,0°C em Coxim, 06/10/2020
  • 43,9°C em Água Clara, 02/10/2020
  • 43,8°C em Corumbá, 15/11/1962

Tabela 1. Temperaturas registradas nesta onda de calor, os recordes históricos e a data de abertura/disponibilidade do dado em Mato Grosso do Sul:

De acordo com as medições da Estação Meteorológica Automática do Inmet-Mirante de Santana na capital São Paulo, a temperatura máxima na quarta-feira 07/10, foi de 37,3°C, é o 3° maior valor de toda a série histórica período de 1943-2020, ficando atrás apenas dos 37,4°C do dia 02/10/2010 e do recorde absoluto de 37,8°C de 17/10/2014, sendo assim também a 3ª maior do histórico de outubro.

Tabela 2. Temperaturas registradas nesta onda de calor, os recordes históricos e a data de abertura/disponibilidade do dado em São Paulo:

A causa do intenso calor que assolou grande parte do território brasileiro, ainda é um persistente bloqueio atmosférico que se instalou na área central do Brasil. Os movimentos subsidentes do ar, de cima para baixo em níveis médios até a superfície, provocaram tempo quente com máximas acima dos 40°C e baixa umidade, valores inferiores a 15%, principalmente do centro para o norte do estado de São Paulo e o nordeste do Mato Grosso do Sul. Gradativamente o aumento da umidade em níveis médios (próximo a 5 km de altitude) favorece que o ar comece a romper o tampão atmosférico que se instalou e dispare a instabilidade e convecção atmosférica com movimentos verticais mais pronunciados, favorecendo pancadas de chuva em algumas áreas. 

Figura 1. Imagem de satélite da temperatura do topo de nuvens (dia 07/10/2020 às 1800); em destaque as áreas em vermelho que indicam pancadas de chuva com prováveis trovoadas.

Apesar do calor intenso no norte de São Paulo e norte-nordeste de Mato Grosso do Sul ainda nesta quinta-feira 08/10, aumento de umidade provoca mudança de padrão atmosférico, pancadas de chuva, temporais localizados e temperaturas começam cair no Mato Grosso do Sul e São Paulo.

Embora ainda faça muito calor nesta quinta-feira no centro-norte de São Paulo e no norte e nordeste de Mato Grosso do Sul o aumento de umidade vem em parte através dos ventos de noroeste amazônicos que começam a ficar mais úmidos nesta época do ano, da brisa marítima que vem do Oceano Atlântico e de áreas de instabilidade juntamente com a aproximação de frente fria do sul do País. Assim, pancadas de chuva devem ocorrer com trovoadas em parte dos estados de SP e do MS nos próximos dias, rompendo finalmente o padrão de bloqueio atmosférico, que também começará a ter pancadas de chuva em direção ao centro e Sudeste do País.

Mapa da previsão de temperaturas máxima pelo modelo Cosmo do Inmet para amanhã e depois:

Veja a Nota Meteorológica completa AQUI

Para mais informações, previsão do tempo e avisos meteorológicos de tempo severo, acesse: https://portal.inmet.gov.br/

Atenciosamente,

Seção de Previsão do Tempo – SEPRE

INMET - 7º DISME/SP e MS

Tel.: +55 (11) 5051-5700

E-mail: sepre.sp@inmet.gov.br