Queimadas na Amazônia levam nuvem de fumaça para o Sudeste do Brasil

Fumaça vista no céu de São Paulo (SP), nesta sexta-feira (9), foi levada, entre outras causas, por um padrão circulatório atmosférico

Por Manuela Rolim Siqueira - publicado 09/09/2022 15h04 . Última modificação 09/09/2022 15h41 .

As queimadas na Amazônia têm causado impactos visíveis em diferentes regiões do Brasil nos últimos dias. Nesta sexta-feira (9), uma grande nuvem de fumaça foi vista na cidade de São Paulo (SP) e chamou atenção dos moradores.

Segundo especialistas, as condições meteorológicas que geralmente ocorrem nesta época do ano, atreladas à grande quantidade de focos de queimadas na Amazônia, favoreceram o transporte da nuvem de fumaça para a região Sudeste do Brasil (figura 1).

A chegada da fumaça nos grandes centros urbanos pode contribuir para a diminuição da qualidade do ar, uma vez que essa nuvem se junta a outras fontes de emissões locais, tais como as veiculares e as industriais. Uma qualidade do ar ruim afeta a saúde humana, especialmente de crianças, idosos, gestantes e pessoas com comorbidades.

Figura 1: Mapa com resultados (AOT) do modelo de previsão de fumaça e de qualidade do ar do INPE. A variável AOT indica a quantidade de fumaça na coluna atmosférica e possui valores típicos da ordem de 0.2 na região Amazônia, na ausência de fumaça.

Veja a nota técnica feita pelos órgãos oficiais de meteorologia do Brasil (Inmet, Inpe e Censipam), AQUI.


O INMET é um órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e representa o Brasil junto à Organização Meteorológica Mundial (OMM) desde 1950.

A previsão de tempo e os avisos meteorológicos são divulgados diariamente em nosso portal, aplicativo e redes sociais:

Instagram: @inmet.oficial

Twitter: @inmet_

Facebook: @INMETBR

Tiktok: @inmetoficial

Youtube: INMET

Veja mais: